Leanora Baumann: Fotografando mães de crianças no Congo

A fotógrafa Leonora Baumman fala sobre seu início e os desafios da fotografia na República Democrática do Congo.

Leonora_Baumann_RDC_2014_Maternite_01 1

Fotógrafo Leonora Baumann concluiu recentemente uma série sobre crianças mães no Congo que não passou despercebida. Na exposição de Baumann em Chicoutimi, Quebec, o editor de fotos da Blink Laurence Cornet conversou com Baumann sobre seu início e os desafios da fotografia na República Democrática do Congo.

Laurence Cornet: Você estudou fotografia comercial. O que fez você buscar o fotojornalismo?

Leonora Baumann: No final de meus estudos de graduação, ajudei você a Cedric Gerbehaye, um fotógrafo de Agência Vu' que havia acabado de concluir um projeto de longo prazo sobre o Congo. Ele estava no processo de lançar seu livro e abrir uma exposição correspondente para a 50ª comemoração do dia da independência do Congo. Trabalhar nessa coleção me inspirou a fazer reportagens.

Visto para a imagemO lançamento da revista francesa 6 meses e a conversa de que Wilfrid Esteve O trabalho que você fez na mesma época com novas ferramentas de narração de histórias também me inspirou muito. Comecei a trabalhar com som, deixando a voz do meu entrevistado entrar, para contar suas histórias. As palavras de alguém são algo que você não pode ter apenas com uma foto.

Depois de receber meu diploma de bacharel, trabalhei em uma história sobre um malabarista de rua em Bruxelas chamado Hicham. Eu o segui e documentei sua vida diária, capturando seus encontros com outros artistas, o local onde ele se agachava e as dificuldades pelas quais passava. O projeto incluiu um peça multimídia para acompanhar a série de fotos.

Leonora_Baumann_RDC_2015_Filles-meres_07

LC: O que levou você ao Congo?

LB: Meu trabalho no Congo surgiu depois que estudei multimídia e documentário. Consegui um estágio em um jornal de Kinshasa chamado O Potencial. Kinshasa é uma comunidade bastante pequena e, por meio do meu trabalho, conheci possíveis comissários e rapidamente recebi trabalhos. Há uma grande necessidade de imagens lá, e os fotógrafos locais nem sempre estão disponíveis ou são especializados em projetos específicos. Por exemplo, trabalhei em um projeto para o ACNUR sobre congoleses que estavam sendo mandados de volta da República Centro-Africana (RCA) para o Congo e sobre refugiados da RCA que cruzavam a fronteira com o Congo. Rádio França sobre a Orquestra Sinfônica de Kinshasa. O processo de descoberta dessa história me inspirou a procurar minhas próprias histórias.

Então, comecei com uma breve reportagem sobre a dança da capoeira. Como resultado do comércio transatlântico de escravos, a dança começou no Brasil, mas tem suas origens na África. A capoeira é dançada aqui entre as crianças de rua como uma forma de vínculo social.

Na mesma época, comecei a investigar a questão da maternidade. A maternidade é particularmente importante no Congo, que tem uma alta taxa de natalidade e uma alta taxa de mortalidade infantil. Viajei para o leste, para Goma, uma região no centro do conflito do país nas últimas duas décadas. Trabalhar com crianças mães em Goma me permitiu cobrir o conflito de uma forma menos direta.

Leonora_Baumann_RDC_2015_Filles-meres_02
Leonora_Baumann_RDC_2014_Maternite_01

LC: Como você buscou essa série sobre mães de crianças?

LB: O UNICEF me ajudou a obter informações e acesso. Eles me falaram sobre a House Marguerite, um lar para mães de crianças. Levei muito tempo para encontrar o local porque ninguém sabia o endereço da casa. Adoro esse aspecto de caça ao tesouro da fotografia. Como fotógrafos, não sabemos para onde estamos indo, mas, quando fazemos descobertas, as histórias tomam forma. Encontrei a casa pouco antes de voar de volta para a França e sabia que queria voltar. Oito meses depois, consegui cobrir minha viagem trabalhando em tarefas para algumas ONGs [Organizações Não Governamentais].

LC: Como é trabalhar com ONGs?

É uma maneira muito diferente de trabalhar. As ONGs geralmente procuram fotografias muito ilustrativas. A principal vantagem é que elas oferecem acesso privilegiado a histórias importantes. Dependendo da ONG, eu tinha mais ou menos tempo para encontrar histórias e conhecer pessoas. Voltei no mês passado para Médicos Sem Fronteiras. Eles procuram fotógrafos no Congo porque não podem arcar com todas as despesas de viagem. No entanto, recentemente, eles se ofereceram para cobrir meus voos. Adoro trabalhar para eles porque me dão tempo para desenvolver e explorar totalmente minhas histórias. Durante esse processo, conversei com muitas pessoas e me aprofundei em questões que eu não conhecia. Agora, quero muito voltar novamente.

LC: Você trabalha tanto em casa, na França, quanto no exterior, principalmente no Congo. Como eles se complementam ou inspiram um ao outro?

LB: Eu sempre mergulho na história em que trabalho, seja na França, onde recentemente acompanhei uma trupe de circo para NeonVocê pode encontrar um lugar para se divertir, ou na África. É sempre uma descoberta de um universo desconhecido. Quanto mais você viaja, mais percebe que há muitas coisas acontecendo ao seu redor. O simples fato de perceber isso significa que, de alguma forma, você também viaja quando está em casa. Viajar desperta a curiosidade, e você a traz de volta para casa. Esse é um dos aspectos maravilhosos da fotografia.

Leonora_Baumann_RDC_2015_Filles-meres_01

LC: O que você descobriu no Congo?

LB: O que primeiro me chamou a atenção foi a espontaneidade e a alegria das pessoas. É claro que a situação é mais complexa. As pessoas sobrevivem, mas não têm visão ou esperança de um futuro melhor. O Congo é um país muito rico em termos de recursos naturais e intelectuais. Entretanto, descobri que alguns desses recursos não são utilizados. A maioria dos jovens das cidades foi para a universidade, mas a maior parte deles acabou desempregada.

Em termos de trabalho lá, o primeiro desafio foi lidar com a percepção que o Congo tem da fotografia. Historicamente, a fotografia era proibida no país, e essa proibição ainda está na mente das pessoas, principalmente nas cidades. Além disso, embora seja difícil não alimentar os clichês ocidentais em relação à África, também é muito difícil ir contra as expectativas dos africanos em relação aos brancos. O Congo quase não tem turismo, portanto, há estereótipos negativos associados a pessoas brancas.

LC: Dito isso, foi difícil conseguir a permissão dos seguranças para serem fotografados para a sua série de retratos?

LB: Todos concordavam, provavelmente porque eu sempre reservava um tempo para conversar com eles. Quando cheguei ao Congo, fiquei muito desconfortável com o fato de ter um cozinheiro, um motorista, um segurança e assim por diante. É perturbador. Mas lá, toda casa com certa altura tem um guarda de segurança, geralmente na frente da casa sob um mosquiteiro.

O que me deu a ideia para esta série foram os guardas de segurança da primeira casa onde moro em Kinshasa. Eles usavam capuzes e luvas à noite para se proteger dos mosquitos. Eu achava isso ao mesmo tempo assustador e engraçado. De qualquer forma, quando comecei a perguntar a outros guardas de segurança se eu poderia tirar um retrato deles, todos concordaram. Eles queriam me contar suas histórias, falar sobre suas famílias e seus estudos. Eles me agradeceram por ter conversado com eles.

Leonora_Baumann_RDC_2014_Capoeira_04
Leonora_Baumann_RDC_2015_Filles-meres_05

LC: Você planeja mesclar narrativa e fotografia para essa série ou no futuro?

LB: Para essa série, anotei tudo em meu caderno. Queria associar seus retratos a informações sobre eles. Em geral, acho que há muitas possibilidades de contar histórias com a fotografia. Você pode usar novas tecnologias ou as antigas de maneiras completamente diferentes. Você sempre pode acrescentar algo a uma história e ajudar em sua distribuição.

Eu adoraria desenvolver um documentário na Web, porque isso me daria a oportunidade de trabalhar com uma equipe, pois sinto falta do elemento colaborativo dos meus anos de treinamento. É uma dinâmica completamente diferente reunir vários pontos de vista e habilidades em um projeto. Nesse meio tempo, estou tentando desenvolver minha linguagem como fotógrafo - não vejo todos os meus projetos como peças multimídia. A fotografia é extremamente poderosa por si só!

A Blink é uma plataforma de localização em tempo real que permite que as empresas de mídia descubram, conectem e organizem uma rede global de profissionais de mídia. Saiba mais aqui.

A4 1 4

Um guia para aprimorar suas habilidades fotográficas

Eleve o nível de sua fotografia com nosso guia de recursos gratuito. Obtenha acesso exclusivo a dicas, truques e ferramentas privilegiadas para aperfeiçoar sua arte, criar seu portfólio on-line e expandir seus negócios.

Nome(Obrigatório)
Assine o boletim informativo Field Label
Esse campo é para fins de validação e deve ser deixado inalterado.
pt_BRPT