10 galerias de arte recuperadas que vão além do cubo branco

Essas galerias de arte não convencionais reaproveitam espaços históricos, desde antigas fábricas até uma antiga delegacia de polícia.

Mediamatic02 1

Os artistas sempre foram profissionais em encontrar soluções criativas para os aluguéis proibitivamente altos nas grandes cidades. Artistas emergentes com recursos geralmente conseguem criar espaços funcionais para galerias em pequenas fachadas de lojas, garagens vazias e até mesmo em seus próprios apartamentos. Nas últimas décadas, até mesmo as grandes galerias adotaram essa abordagem de "vale tudo" para criar espaço para a arte.

Especialmente em cidades como Berlim, onde há uma abundância de prédios antigos em desuso, os galeristas frequentemente reaproveitam locais tão diversos e inesperados como um bunker da Segunda Guerra Mundial e uma estação de trem histórica. Em outros locais também, de Bruxelas ao Brooklyn, qualquer coisa, desde uma antiga cervejaria até uma antiga delegacia de polícia, foi recuperada para servir como galeria de arte.

Devido à sua rica história e contexto social, esses galerias de arte desafiam artistas e curadores a produzir trabalhos mais complexos e em camadas do que os exibidos em paredes brancas e estéreis.

Sair da tradicional galeria de cubos brancos também é algo positivo para o público, proporcionando não apenas uma experiência artística gratificante, mas, às vezes, também informações valiosas sobre o bairro e seu passado colorido. Reunimos dez dos espaços de arte mais interessantes e incomuns que já tiveram vidas muito diferentes.

WIELS02

1. WIELS

O que já foi um dos maiores pavilhões de cerveja da Europa, o WIELS (abreviação de Wielemans Ceuppens, que eram os proprietários originais) se tornou uma das galerias de arte mais reconhecidas da Bélgica. Desde que a restauração foi concluída em 2007, esse edifício Art Déco da década de 1930 já recebeu mais de 65 exposições e abrigou mais de 130 residentes em seus nove estúdios. O legado arquitetônico da WIELS informa não apenas as exposições, mas também seu programa educacional. A organização da galeria se concentra em iniciativas artísticas sociais e promove o renascimento econômico e cultural de sua vizinhança imediata e da grande cidade de Bruxelas.

A antiga delegacia de polícia

2. A antiga delegacia de polícia

Escondido nas profundezas do sudeste suburbano de Londres está a antiga Delegacia de Polícia de Deptford, de estilo eduardiano, que foi recuperada como um centro de artes DIY. Com toda a arquitetura existente ainda intacta, incluindo as celas originais de azulejos com latrinas, é um cenário inesquecível para exposições. Devido ao espaço limitado dentro das celas, contêineres de transporte foram colocados no pátio para abrigar um local adicional chamado Cartel, que inclui 42 estúdios separados, além de uma estação de rádio.

BOX-Freiraum01

3. Caixa Freiraum

Talvez uma das organizações mais jovens da lista, a Box Freiraum em Berlin-Friedrichshain abriu suas portas apenas no verão de 2014. Localizado em um pátio tranquilo, o pequeno edifício tem um passado impressionante. Construído como depósito para ônibus em 1893, ele foi usado mais tarde durante a RDA como depósito e, posteriormente, como um mercado de antiguidades. Reformado em 2008 pela arquiteta Carolina Majto, o Box Freiraum já apresentou várias exposições locais e internacionais importantes, sendo a mais recente a TMoCa Opening 1977, com as imagens da fotógrafa iraniana Jila Dejam.

fábrica de latas americana

4. A antiga fábrica americana de latas

Um complexo industrial histórico construído em 1885 em Gowanus, Brooklyn, a Old American Can Factory é composta por seis edifícios diferentes e abriga mais de 200 artistas. A diversidade do trabalho dos artistas residentes é tão extensa quanto a planta do edifício. O The Can Factory abriga sopradores de vidro, escritores de letreiros de neon, escultores, artistas de performance e literários, bem como o coletivo curatorial dirigido por artistas com seu espaço de exposição correspondente Projetos Ortega y Gasset. Fundado em 2013 por nove artistas, esse coletivo é uma pequena amostra do que acontece sob o grande teto do The Old American Can Factory (além do qual, no verão, há exibições de filmes).

galeria de criptas

5. A Galeria da Cripta

A Crypt Gallery (Galeria das Criptas) está localizada nos cofres sob a Igreja Paroquial de St Pancras, em Londres. Pancras, em Londres. Usadas entre 1822 e 1854 para sepultamentos em caixões, as criptas proporcionaram uma renda extra para a igreja e evitaram a superlotação dos cemitérios dos vilarejos. Mais tarde, durante as duas guerras mundiais, o espaço sombrio foi usado como abrigo antiaéreo. Em 2002, ele foi novamente reaproveitado como é conhecido atualmente: como uma galeria de arte contemporânea. Com sua atmosfera sinistra, essa galeria inspira a contemplação silenciosa das obras exibidas em suas paredes de tijolos, incentivando um ritmo mais lento dos visitantes que circulam sob os arcos.

sammlung-boros-gallery

6. Sammlung Boros

Instalada em um bunker convertido da Segunda Guerra Mundial, no coração de Berlim, essa galeria é, na verdade, uma coleção de arte contemporânea de propriedade privada e operada, que gira duas vezes por ano, aberta ao público por meio de visitas com agendamento. Reunida por Christian Boros desde 1990, a coleção é extensa, com muitas obras importantes de artistas internacionais. Felizmente, o amplo bunker (que tem mais de 80 cômodos) é grande o suficiente para acomodar as ambiciosas obras de arte. Desde a sua construção em 1941, o prédio foi usado como abrigo antiaéreo, armazém têxtil, depósito de frutas e verduras, abrigou prisioneiros de guerra e sediou festas fetichistas, uma gigantesca feira erótica e teatro experimental. O bunker foi comprado para apresentar a Coleção Boros em 2003.

W139

7. W139

De volta a Amsterdã, desta vez em um antigo teatro em uma das ruas mais antigas do centro da cidade. Fundada em 1979 por um grupo de artistas que desejavam se libertar das restrições das galerias comerciais, a W139 (cujo nome vem do endereço Warmoesstraat 139) encontrou seu lugar entre os profissionais do sexo e traficantes de drogas que viviam no distrito da luz vermelha. Quase quarenta anos, algumas reformas e muitos curadores depois, a W139 passou de um agachamento antiestabelecimento a um espaço totalmente profissional com vínculos internacionais. Mas a galeria ainda se mantém conectada às suas raízes, apoiando artistas que criam trabalhos específicos para o local no bairro.

LOCAL DE TRABALHO_GATESHEAD

8. Local de trabalho Gateshead

Estabelecida pela primeira vez em Gateshead, no norte da Inglaterra, em 2002, a Workplace passou mais de uma década se estabelecendo como uma parte importante do cenário cultural do Reino Unido, ocupando alguns locais bastante interessantes. Em Gateshead, a Workplace fazia parte do Trinity Square Shopping Centre e, depois de um despejo devido à demolição iminente, a galeria passou a residir no Old Post Office de Gateshead, um edifício histórico do século XIX. Desde então, a Workplace abriu uma galeria irmã em Londres e participa regularmente de feiras de arte em todo o mundo, continuando a defender a comunidade artística independente do norte da Inglaterra.

Hamburger-Bahnhof02

9. Hamburger Bahnhof

É certo que Berlim tem uma quantidade excepcionalmente alta de galerias reaproveitadas, por isso voltamos mais uma vez à cidade que continua a se reinventar. Inaugurado em 1846, o Hamburger Bahnhof é um enorme e impressionante edifício neoclássico, que já foi uma importante estação de trem. Após o fechamento, o prédio teve um curto período como museu de transporte e reabriu em novembro de 1996 como uma galeria contemporânea. As exposições anteriores incluíram Joseph Beuys, Anselm Kiefer, Robert Rauschenberg, Marcel Broodthaers e Andy Warhol.

Mediamatic02

10. Fábrica da Mediamatic

Uma galeria, espaço para projetos, fazenda aquapônica e cafeteria, a Mediamatic cresceu e se tornou uma instituição cultural em Amsterdã. Fundada em 1983, como um ponto de encontro para artistas de mídia, televisão e vídeo, intelectuais e cientistas, ela se concentra na natureza, na biotecnologia e na culinária orgânica. A organização promove exposições, workshops, palestras, jantares e até demonstrações de fabricação de cerveja. Formada originalmente em Groningen, a Mediamatic mudou-se rapidamente para Amsterdã e, desde então, ocupa vários edifícios históricos em Oostenburg, no extremo nordeste da cidade, incluindo o Werkspoor-Stork Hall, uma antiga fábrica de produção e fornecimento de equipamentos ferroviários para a África do Sul.

A4 1 4

Um guia para aprimorar suas habilidades fotográficas

Eleve o nível de sua fotografia com nosso guia de recursos gratuito. Obtenha acesso exclusivo a dicas, truques e ferramentas privilegiadas para aperfeiçoar sua arte, criar seu portfólio on-line e expandir seus negócios.

Nome(Obrigatório)
Assine o boletim informativo Field Label
pt_BRPT